• HUDSON CASTRO - ARQUITETURA

Loja temporária de Carnaval tem projeto assinado pela Hudson Castro Arquitetura

O Carnaval esse ano começa mais cedo e pra se adiantar ao feriado mais esperado do Brasil, as empresárias Luciana Lobato e Gabriela Alves resolveram abrir este ano uma loja temporária e colaborativa com diversos produtos carnavalescos. "Rebuliço de Carnaval" é o nome do espaço que traz uniu várias marcas da cidade para trazer figurinos, adereços, tatuagens temporárias, maquiagens e diversos produtos que não podem faltar no seu Carnaval.

O projeto foi assinado pela equipe da Hudson Castro Arquitetura e levou em consideração o principal pedido das donas: "Temos que reciclar tudo o que temos no nosso acervo e fazer algo incrível!" A reforma da loja demorou pouco mais de 2 semanas e trouxe em seu projeto as cores da marca (rosa e azul), muito lambe-lambe, glitter e claro plantas pra deixar tudo mais agradável e com cara de aconchego.


A loja tem como objetivo enaltecer as festas da capital nesse período. “Vimos que o brasiliense precisava cada vez mais de acessórios e de um local onde pudessem encontrar produtos para aproveitar a folia. Foi aí que a ideia surgiu”, conta Luciana.

Ao longo dos anos, ela também observou o crescimento do carnaval brasiliense. “Brasília está desenvolvendo uma cultura nova e entra no cenário nacional como cidade carnavalesca. Isso se dá graças a iniciativas pequenas de blocos e marcas”. Além de idealizadora do projeto colaborativo, Luciana também faz parte da organização do bloco de rua Vai com as profanas e avalia que a festa tem crescido mais em função do esforço da população que do apoio governamental. “Como amante e produtora do carnaval, é fundamental o engajamento popular na realização da festa. É preciso aplaudir os organizadores dos blocos, as escolas de samba e os foliões que fazem tudo acontecer, mesmo que falte auxílio”.

Para mais informações: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2020/01/23/interna_cidadesdf,822578/carnaval-comercio-do-df-funcionara-pela-1-vez-no-domingo-e-na-segund.shtml